Exibição do filme L’an 01, com comentário de Anne Leclercq
dia 31/05/2017

Não gostaríamos de terminar este mês sem um evento que remetesse para o universo do Maio de 68. Em 2018, por ocasião do 50.º aniversário, justificar-se-á certamente uma abordagem mais vasta e diversa. O filme que exibimos ontem – mais uma excelente proposta da Anne Leclercq – não era exactamente sobre o Maio de 68, ainda que nos colocasse, desde o primeiro momento, no interior do seu imaginário.

 

Adaptado de uma célebre banda desenhada de Gébé, L’an 01 é uma comédia realizada em 1973 por Jacques Doillon, com Alain Resnais e Jean Rouch. Organizado por uma sucessão de divertidos sketches, o filme narra a preparação, concretização e consequências de uma decisão da população de uma determinada cidade de «Parar Tudo!» Um impulso generalizado para a inactividade e para «viver lentamente» mobiliza toda uma comunidade para modificar radicalmente o modo como vive o seu quotidiano.

 

São óbvios os ecos dos acontecimentos de 1968 e a tentativa dos autores do filme de reflectir sobre eles, bem como sobre o modo como, cinco anos depois, se adivinhava já um longo processo de apropriação pela narrativa neoliberal do seu imaginário utópico. Foi um pouco por aí que seguiu a conversa a seguir à exibição do filme, em torno da forma como a evolução dos acontecimentos nos últimos quase 50 anos nos fazem olhar hoje para um filme destes.