Visões Aquarianas. Concerto com Guilherme da Luz
dia 19/06/2017 | 0 Comentários

Na apresentação que, no final da actuação, Guilherme da Luz (GL) fez das suas ‘Visões Aquarianas’, referiu que um dos aspectos que caracterizava Agostinho da Silva era um equilíbrio entre uma grande abertura de pensamento e muita firmeza nas convicções. Curiosamente, poderíamos aplicar um raciocínio semelhante ao que o próprio GL acabara de apresentar: ao mesmo tempo um voo livre por um caos de ‘drones’ e incenso e uma tensão rasante de melodia minimal, sem linhas de fuga.

À média luz, com o tempero do incenso, equilibrado junto ao chão, Gl levou-nos numa viagem que parecia deslocar-se do centro da Terra aos pilares vaporizados do Universo. Os dois sintetizadores, um analógico e outro digital, compunham um diálogo sincrético que, a espaços, era interpolado pela voz sequenciada de Agostinho da Silva a divagar pelos ritmos das galáxias, pela religiosidade que tudo percorre, pelo choque entre a matemática e a poesia, pela trindade da liberdade, da infância e da abundância, pelo mundo que, seguindo Camões, e ao contrário do Universo, é mais adejctivo do que substantivo e que, precisamente por isso, é mais mundos do que Mundo.

É difícil imaginar uma abertura mais auspiciosa do ciclo de eventos que, este mês, dedicamos a Agostinho da Silva!